COMPARTILHE ESTA PUBLICAÇÃO

14/06/2018

Aprenda Rápido os Sistemas de Custeio Variável e por Absorção!

Manuel Pinon

Olá Pessoal!

 

Continuando à nossa série “Aprenda Rápido”, passo por aqui hoje para apresentar um tema de Contabilidade de Custos sempre cobrado em provas de concursos: os Sistemas de Custeio!

 

E aí amigo(a), para começo de conversa, você sabe o que vem a ser um Sistema de Custeio?

Um Sistema de Custeio na verdade consiste apenas em um critério pelo qual os custos são apropriados à produção.

Na realidade prática, e também para fins de provas de concursos públicos, a definição do sistema de custeio pode ter grande influência nos custos de uma empresa, pois de acordo com o sistema adotado, determinados custos podem ou não fazer parte dos custos de produção.

Assim, a decisão de escolha de qual sistema de custos utilizar vai influenciar os valores dos custos de produção e, consequentemente, dos estoques e do resultado (lucro ou prejuízo) de uma empresa.

Para fins de provas de concursos precisamos saber os efeitos nas contas patrimoniais e de resultado que a adoção do sistema de custeio escolhido nos traz.

Existem dois sistemas de custeio que são muito cobrados em prova: Custeio por Absorção e Custeio Variável.

Vamos resumidamente ver cada um deles!

1 - CUSTEIO POR ABSORÇÃO

No sistema de custeio por absorção são apropriados à produção todos os custos, sejam eles fixos ou variáveis, sejam eles diretos ou indiretos! Guarde essa ideia: todos os custos são absorvidos! Ocorre a absorção de todos os custos, inclusive dos custos fixos!

Desse modo, todos os custos fixos e variáveis integram os custos de produção, e, em consequência, os estoques, sendo “lançados” ao resultado do exercício apenas quando da venda dos respectivos produtos.

Atenção aqui: Observem que coloquei em destaque a observação de que todos os custos fixos integram os custos de produção. Esse na verdade é o fator que o diferenciará do sistema de Custeio Variável, em que somente os custos variáveis integram os custos de produção.

 

Galera, os custos fixos são necessários para que a empresa possa realizar o seu processo produtivo. Diante dessa realidade, o aluguel e o seguro da fábrica, por exemplo, são custos que a indústria incorre para que possa produzir.

Por outro lado, esses custos são incorridos mesmo que a empresa não produza nada em determinado período, ou seja, não dependem da quantidade produzida. Isso pode ser um problema sério, caso a empresa opere em um nível de produção muito baixo, em comparação com a sua capacidade instalada de produção.

Geralmente os custos fixos são indiretos e a sua apropriação leva certo grau de subjetividade inerente à prática de utilização dos rateios e da definição dos critérios. Assim, além problema que pode ocorrer citado no parágrafo anterior, a subjetividade envolvida na apropriação dos custos fixos indiretos pode influenciar inadequadamente no resultado apurado na venda de um produto.

 2 - CUSTEIO VARIÁVEL

O Sistema de Custeio Variável é utilizado para evitar aqueles inconvenientes citados no Sistema de Custeio por Absorção no que diz respeito à apropriação dos custos fixos.

No Custeio Variável, como o próprio nome sugere, apenas são apropriados aos produtos os custos variáveis!

De cara já vemos que aquele problema que pode ocorrer no custeio por absorção, relacionado à baixa utilização da capacidade instalada, não existe no custeio variável, pois os custos fixos não são apropriados aos produtos. Assim se a empresa produzir pequenas quantidades seus custos não estarão superdimensionados, já que os custos fixos não foram apropriados.

Também no sistema de custeio variável, por não haver apropriação de custos fixos indiretos, o grau de “subjetividade” é reduzido, já que somente os custos variáveis indiretos estarão sujeitos aos critérios de rateio.

Agora sei que você está com vontade de perguntar o seguinte:

 “Professor, e os custos fixos, o que o sistema de custeio faz com eles”?

A resposta é os custos fixos são lançados diretamente no resultado, sem transitar pelos custos de produção e sem transitar pelos estoques!

Guarde o seguinte: no custeio variável, os custos fixos são tratados como se fossem despesas!

Galera, aqui vai mais uma observação importante: apesar do custeio variável também ser conhecido como “Sistema de Custeio Direto”, pelo fato de a maioria dos custos variáveis serem também diretos, ou seja, não necessitam de rateio para sua apropriação, existem custos indiretos variáveis que também são apropriados no custeio variável. Como exemplo temos os materiais indiretos e a mão-de-obra indireta.

Portanto, se na prova disser algo como no custeio direto somente são apropriados os custos diretos a afirmativa é ....

Falsa ou verdadeira?

É falsa! Pois, como os acabei de alertar, os custos indiretos também o são! É por isso também que gosto mais da expressão “Sistema de Custeio Variável”!

Fique ligado para não cair nessa pegadinha na hora da prova!

Galera, existe uma diferença de tratamento dos custos fixos entre o custeio por absorção e o custeio variáveis tem efeitos contábeis e fiscais.

Em um próximo artigo nós vamos destrinchá-los!

 

Bem pessoal, por hoje é só!

 

Espero que tenham aprendido rápido os pontos mais importantes dos sistemas de custeio variável e por absorção.

 

Agora é só treinar com as questões da banca do seu concurso!

 

Estou à disposição para esclarecer suas dúvidas no e-mail manuelpinon@hotmail.com

 

Bons estudos!

veja também